Tomei Viterra durante um mês — e senti diferenças


Desde pequena que me lembro de os meus pais me darem suplementos, mas com o avançar da idade deixei isso um bocado de parte. No entanto, resolvi dar oportunidade ao Viterra há um mês e hoje trago-vos a minha opinião sobre ele.



Primeiro, vou explicar-vos o que é, afinal, o Viterra. É um suplemento que promete dar uma dose extra de energia diária, ajudar na regulação hormonal e que ainda atua como antioxidante da pele. Além disso, tem uma combinação de vitaminas e minerais (Tiamina, Riboflavina e Niacina) que contribuem para o normal metabolismo e reduz o cansaço.


Existe a versão clássica — que é usada desde 1967 —, para homem (adulto) e uma fórmula para desportistas. Eu escolhi a quarta versão, o Viterra para mulher (adulta).



Porque é que decidi começar a tomar?


Além das típicas gripes e constipações, onde acho que este tipo de suplementos podem sempre ajudar por causa das vitaminas, procurava outros benefícios. Por exemplo, sofro de enxaquecas desde os meus 12 anos, já tomei de tudo e mais alguma coisa e nada acontece. E juro-vos, são tão fortes que não me permitem fazer mais nada durante esse momento, a não ser estar deitada em silêncio e com pouca ou nenhuma claridade. Por isso mesmo, estava na esperança que me ajudasse.


Por outro lado, e porque o Viterra procura dar um extra de energia diária, pensei que também fosse ideal para mim. Não me estou a queixar, mas trabalhando a tempo inteiro, tendo aulas à noite e dedicando praticamente todos os meus fins de semana para gravar e escrever para a Miúda, não sobra tanto tempo como gostaria para descansar. Atenção: eu não me importo — afinal, estou a fazer três coisas que adoro. Ainda assim, não posso negar que seja cansativo.


É claro que com toda esta correria a parte hormonal também sofre. O stress, a acumulação de trabalho e as poucas horas de sono são alguns dos culpados. Na verdade, nos meses mais stressantes, até na pele sinto alterações — fica mais seca e sensível.


Por isso, e como leram acima, motivos não faltavam para começar a tomar algo como o Viterra.


Como é que se toma?


É simples: para sentirmos resultados, devemos tomar um comprimido todos os dias ao pequeno-almoço. No total, a caixa traz 30 cápsulas. Mas atenção: a dose não deve ser superior a esta e, muito importante, a toma deste suplemento, embora seja alimentar, não substitui uma dieta variada nem um estilo de vida saudável. É fundamental ter esta ideia.


Além disso, o Viterra não é indicado para pessoas com hipersensibilidade. E, tal como em tudo, é sempre melhor olhar para o rótulo e ter a certeza de que não temos alergia a nenhum dos ingredientes do produto.


Senti resultados?


Há um mês, quando decidi começar a tomar este suplemento, escrevi um post com vários produtos que ia começar a usar. Já nessa altura tive muitas amigas que me vieram perguntar se valia a pena, mas só agora consigo responder a isso.


A verdade é que apanhei uma constipação, mas não cheguei a precisar de medicamentos para me curar, o que me leva a crer que a toma de Viterra possa ter ajudado. No entanto, e onde senti mesmo mais diferenças, foi a nível das enxaquecas. Normalmente, tenho mais do que uma vez por semana. Desta vez, num mês inteiro, contei apenas duas. Quanto à energia diária, posso dizer que me senti sempre bem.


A questão é: será mesmo por causa do Viterra? Não consigo confirmar. Ainda assim, não fiz mais nenhuma alteração no meu dia a dia a não ser essa. Por isso, acredito que possa ter influência no meu bem-estar.


Este produto custa 17,31€, mas podem encontrá-lo em qualquer farmácia ou espaço de saúde a outros preços.

Também vais querer ler isto